Qual é o café que me acorda?

Eu costumo dizer que o café especial é especial não só pelo sabor, mas pelas pessoas que dependem dessa produção para viver. Entender sobre a cadeia do café com base em respeito e valorização dessa cultura, faz com que a nossa jornada (minha e dos meus sócios) — da lavoura até o copo — se torne especial como o café que servimos.

Até porque, embora o café seja claramente lucrativo, os desafios que esse mercado enfrenta (escassez e preços voláteis, por exemplo) tornam dessa relação uma história muito diferente para os cafeicultores. Desta forma, cada xícara de café especial que pedimos (nós e você) colabora com a subsistência das famílias de agricultores fortalecendo essa rede.

Causa e efeito

#NO MORE BAD COFFEE

Segundo Fairtrade Foundation (2018), o café é uma das bebidas mais populares do mundo e 80% é produzido por 25 milhões de pequenos agricultores. É a segunda bebida mais tomada no mundo, ficando somente atrás da água.


Cerca de 125 milhões de pessoas em todo o mundo dependem do café para sua subsistência. É o produto agrícola tropical mais valioso, amplamente comercializado e é produzido principalmente por pequenos agricultores. Muitos deles, no entanto, são incapazes de possuir uma vida confortável e estável com o café que produzem.
- Chega de café ruim!

Esta é a bandeira que levantamos! Nosso objetivo é valorizar desde o gosto do café para o consumidor até o compromisso de valor justo da saca para o produtor.

Nosso plano com a marca e o movimento #nomorebadcoffe é que as pessoas entendam que, ao pedirem um café de qualidade, na sua xícara existe um impacto positivo na vida dos produtores e que estão contribuindo com a melhoria da qualidade do café especial brasileiro, até a melhoria da subsistência dos produtores.

Nosso entusiasmo ao levantar essa bandeira é que não queremos fazer isso sozinhos, esperamos compartilhar isso com entusiastas do café, outras marcas até mestres torradores. Isso, desde os nossos valores quanto a mentalidade de que o café especial é antes de tudo, humano.

Para aguçar os sentidos, o paladar e a paixão.

Talvez você nunca tenha pensado na origem do café e qual processo ele passou. O café que bebemos quando está no pé é chamado de “cerejas” e, após várias etapas de processamento, se torna o café que bebemos, sendo cada uma dessas etapas de extrema importância para trazer qualidade para o copo.

Mas nada é tão importante nesse mercado como a paixão... Esse é o sentimento irresistível que, como co-founder da marca, me motiva e não há dúvida que esse é o ingrediente secreto do sucesso e, talvez, o mais importante para quem trabalha com café: ver alegria das pessoas quando bebem um produto de qualidade e que, ao mesmo tempo, sintam essa paixão.

Propósito é clichê, mas é verdade!

O momento que vivemos hoje é, com certeza, fruto de nossas escolhas. Fazemos escolhas o tempo todo, do momento em que acordamos até a hora de dormir, do que gostamos e também do que não gostamos. Disfarçamos as vezes, uma escolha ruim como falta de coragem de fazer o que se gosta. Porém, quando descobrimos o nosso propósito (de fazer a coisa certa), fica mais fácil seguir em frente.

Confesso que já tive vontade de desistir, pensei que não ia dar certo, que empreender, ou trabalhar com algo que gostava não era para mim, mas não desisti! Quando os primeiros frutos começarem a brotar, crescer e dar resultado e o que sonhei começou a se tornar realidade, entendi que estou no caminho certo e que tudo faz sentido quando trabalhamos com propósito.

Para mim, uma das coisas mais importantes deste processo, é conhecer os produtores dos cafés que torramos por nome e sobrenome, é conhecer a origem das pessoas que estão ligadas a origem do pé de café.

Então... qual é o café que TE acorda?

#nomorebadcoffee / chega de café ruim!

 


Publicação Mais Antiga Publicação Mais Recente